In�cio

Sobre Nós

Serviços |

Catalógo |

Tundavala On


SEM SUBCATEGORIA

"FAMíLIA"

A INDIFERENÇA NAS RELAÇÕES CONJUGAIS

Chegado este ponto irreversível, é fundamental que cada parceiro seja sincero com o seu cônjuge


6 de Outubro de 2019
Por: Edson Kassanga



Toda e qualquer relação amorosa é assolada por períodos de indiferença perante ternurentos actos, incrivelmente os mesmos que outrora serviram de impulso para o começo da relação. Tratam-se de fases em que a parceira sente que já não sente atração pelo seu parceiro ou vice-versa. O aproximar do próximo encontro entre ambos já não suscita expectativa, o olhar de maravilhar revela-se incapaz de irradiar paz, o abraço prazeroso passa a ser um passo para atrás, o toque escaldante perde o poder de pôr os pêlos em pé... A presença confunde-se com a ausência, dando asas à indiferença.

Quando uma parceira se vê a braços com a indiferença pelo seu parceiro, sua mente tende a ser um palco onde a solidão e o arrependimento revelam-se como os personagens principais.

Os requisitos para a sensação de prazer de cada pessoa não são tão estáveis, também têm sido alvo da volatilidade que pode decorrer por influência da sociedade ou devido a factores endógenos. Ocasionalmente, sem saber como nem desde quando, as vontades de fórum conjugal de uma dada parceira podem alterar. Se de facto elas alterarem e ela não observar garantias de satisfação dos novos desejos no seu parceiro, a insatisfação e a noção de não ser compreendida podem dar origem a solidão.

Na altura em que a parceira nota em si mudanças de aspirações, aspirações que o seu parceiro aparenta não estar em condições para as saciar, ela estabelece uma ligação com o passado para fazer comparações. Especificamente, ela recua no tempo recordando os ex-pretendentes cuja aparências e carácter eram dissonantes aos apetites que ela tinha, mas que hoje, em função da mutação dos seus apetites, deixariam de ser observados do mesmo modo. Ou seja, seriam consonantes, assegurariam a satisfação dos desejos vigentes, caso um dos ex-pretendentes fosse o seu actual parceiro. Esta suspeita ou certeza de perca de oportunidades assim como a grande possibilidade de nunca voltar a tê-las estimula o arrependimento.

Regra geral, as fases de indiferença diante das práticas prazenteiras do parceiro têm sido sol de pouca dura, porém tem havido casos mil que fogem a regra. Não obstante o esforço multilateral ou individual que se empreende para reacender as centelhas da paixão, transformando a relação numa razão de celebração, a indiferença perdura. Por fim, chega-se a conclusão que o problema já não tem solução e que o melhor a fazer é terminar a relação.

Esta é uma das mais complexas circunstâncias num relacionamento a dois.
Um dilema de extrema magnitude para uma parceira ter de dizer ao seu parceiro que não obstante reconhecer tudo quanto ele tem feito para se sentir a pessoa mais amada do universo, ela já não sente nada pelo mesmo. Além disso, que ela assume ter iludido o parceiro quando lhe dizia adorar a derradeira declaração de amor; quando sorrindo demostrava sentir o coração recheado de emoção pela recepção das flores perfumadas com aromas e poemas; quando dava amostras de atingir o zénite da relação sexual (orgasmo); enfim, que mostrava atitudes contrárias aos seus reais sentimentos.

Por conseguinte, não se espera do parceiro uma reação de satisfação por uma revelação da natureza supracitada. A sensação de perder alguém que se tornou tão intimo feito membro do próprio corpo; a angústia por desistir de alguém pela qual já se vem esforçando bastante mas sem ainda alcançar o patamar pretendido; o sentimento de inutilidade por nem sequer conseguir agradar quem se deseja profundamente; a certeza de ter sido enganado durante demorado tempo sem ao menos desconfiar; a perceção de descobrir uma pessoa estranha que mais se ama e se julgava conhecer tão bem e tantos outros sentimentos contribuem para um desespero para além do exagero. Uma dor tão grande que invade qualquer fonte de vaidade. É verdade!

Apesar disso, eu penso haver também nobreza e proactividade sem par em dizer a verdade. Vale sempre a pena em dizer a verdade, porque pior que machucar alguém com a verdade é continuar a impedir de ser feliz sozinho ou com outra pessoa por intermédio de mentiras. Deve ser por este motivo que eu gosto tanto e aprovo o que cantou Edmazia na música "Vou Assumir", álbum "Erro Bom" (2012), na qual ela faz um retrato agridoce de como dizer não quero mais a alguém sem senão.

Acompanhada por uma mescla harmoniosa de sons, na qual se destaca o som do violino, ela solta a voz- uma voz digna de tornar veloz o batimento cardíaco de qualquer ser humano- cantando: "O teu amor eu já não quero/ É triste isso dizer mas é sincero/.../Magoava-te sem grandes motivos/ Mas de mim não desististe/ Mas ficar contigo/ E fingir assim o meu amor/ Prefiro deixar-te do que te magoar".

Portanto, as relações amorosas são propensas a fases de indiferença que não cessam, por maior esforço que os casais e não só façam para reavivar a atracção, a paixão, o amor. Chegado este ponto irreversível, é fundamental que cada parceiro seja sincero com o seu cônjuge, apesar do desconforto; sofrimento e desespero que isso pode causar, fazendo jus à letra da música "Vou Assumir". E seria muito bom que o que é dito nesta música fosse observado em Angola, nos dias que correm, tendo em atenção que iria suavizar, significativamente, o índice alarmante de mortes por crimes passionais.


Compartilhar:





O caminho do sucesso do Silvio do Nascimento

Sérgio Rodrigues 'assediado' no Lubango

Hábito de leitura previne doenças

“Ecos do turismo em Angola” mostra riqueza natural do país

'Finanças Públicas' já nas bancas

Graduados primeiros empreendedores formados pelo Orange Corners Angola

Fique atualizado. Colabore. Envie o seu conteúdo

Tundavala-AudioVisuais © 2020